Autismo_Como foi descobrir a Síndrome de Asperger do meu filho



Oi!!

Hoje vou falar de Autismo.
Sobre como foi o pré e pós diagnóstico do meu filho que tem a Síndrome de Asperger(Espectro autista).
Vou contar tudo desde o inicinho para vocês entenderem bem como foi.
Espero que com isso eu consiga ajudar muitas pessoas que passam por esse momento como eu passei.


Tive uma gravidez tranquila, planejada, sem intercorrências.
Bruninho nasceu de parto cesárea, lindo, cabeludinho e também correu tudo bem no nascimento dele.
Amamentou até 1 ano e 8 meses quando introduzi mamadeira de iogurte com frutas para desmamar pois ia coloca-lo na escola para socializar, já que não tinha amiguinhos perto de nossa casa.
Ele já estava na escola há uns meses e fui em uma reunião de pais.

No final da reunião a professora dele me chamou em particular e disse que ele tinha alguns comportamentos diferentes como ficar debaixo da mesa, não querer participar das atividades da turma e brincar sozinho.
E essa professora levantou a hipótese de autismo.
Como em casa ele tinha comportamento normal eu nem suspeitava que houvesse algo de errado e quando a professora falou da suspeita de autismo fui em outro mundo. Ela falava e eu tentava ouvir, mas fiquei tão assustada que não conseguia.


Saí de lá completamente desorientada, angustiada, assustada, sei lá ,nem consigo definir o que senti.
Cheguei em casa e contei ao meu marido que reagiu como eu.


Não sabíamos o que  fazer, quem procurar, como conduzir, por onde começar.
E foram dias assim, completamente desorientados, confusos, perdidos.
Houve um dia que quase coloquei fogo no apartamento que morávamos enquanto fazia almoço .
Comecei a pesquisar na internet e descobrimos que deveríamos procurar um psicólogo para avaliar o Bruninho.

Agendamos um e depois de uns 30 minutos observando-o ele disse que ele não tinha nada e que nós que estávamos com problemas por que  na época estávamos construindo nossa casa e isso estava nos consumindo muito.
Depois minha sogra ofereceu para levar em um neurologista que segundo ela era muito bem conceituado e lá fomos nós.

Esse “médico conceituado” mandou tirar toda roupa do Bruninho e deixou-o brincando pelado no consultório enquanto conversava comigo e minha sogra.
Mediu a cabeça dele, o chamou de cabeçudo(kkkk), depois mediu a minha, a da minha sogra..
E concluiu que meu filho não tinha nada e que eu é que estava com depressão. Então ele receitou um antidepressivo pra mim e não me passou nenhuma orientação.


E na escola continuava tudo igual. Bruninho sem fazer atividades na escolinha, entrando debaixo da mesa, se isolando.
Nos mudamos para casa e tivemos que mudar de escola também. Fizemos uma reunião com diretora e coordenadora e relatamos tudo que tinha acontecido na outra escola. Ficou combinado de fazer outra reunião daí alguns meses para dizer como ele estava se comportando.
Passado alguns meses nos chamaram e disseram que ele estava se isolando, se recusando a participar das atividades em sala e nos orientaram a procurar um neuro pediatra.



Eu estava começando minha faculdade de Medicina Veterinária em Belo Horizonte e o curso era integral.
Acordava 6 horas da manhã, deixava Bruninho na escola e ia pra faculdade. Ele ficava o dia todo na escola e resolvi arrumar uma pessoa pra cuidar da casa e do Bruninho na parte da manhã...


...Continua no próximo post !!
 



CONVERSATION

2 comentários:

  1. Post muito construtivo, parabéns!!!
    Adorei o blog, sucesso!!
    oxemeniinaa.blogspot.com

    ResponderExcluir

voltar
ao topo